Uma cura impossível

Meu nome é Ana Gleide de Jesus Silva e eu sou membro da Comunidade da Graça em Jardim São João, em Guarulhos. Minha história começou no dia 13 de fevereiro de 2008, quando uma ultrassonografia pélvica indicou a presença de dois nódulos no meu útero, o deixando com um volume de 128cm³, quando o normal deve ser em média entre 50cm³ e 90cm³. Não havia muito o que se fazer na época, então a recomendação médica foi de que eu retornasse de seis em seis meses para fazer o acompanhamento.

Com o passar dos anos, os miomas foram crescendo e, em maio de 2014, as notícias foram ainda piores: os nódulos haviam se multiplicado e meu útero chegou ao volume de 401cm³. Por causa disso, eu sofria com um fluxo menstrual intenso e constante, que durava 21 dias diretos.

Tentei todos os tratamentos possíveis, até injeções de alto custo, mas nada resolvia. Então, passei pela minha última consulta em outubro e ouvi as piores palavras do médico: “O que você quer que eu faça? Eu não sou Deus! Você tem que tirar o seu útero!” Quando saí daquela sala, meu coração estava destruído. O Senhor havia me dado a palavra de que eu seria “uma alegre mãe de filhos” (Sl. 113.9), por isso eu não aceitava ter que tirar o meu útero. Continuei orando e jejuando, não entendia por que aquela situação já durava seis anos.

No culto de domingo depois daquela visita ao médico, eu não tinha mais forças, não conseguia nem orar. Eu só conseguia chorar, mas ainda me apegava à palavra que Deus tinha me dado. No meio do louvor, algo diferente aconteceu. O pastor Flávio pegou o microfone e disse que Deus queria ministrar cura para pessoas que haviam recebido um diagnóstico incurável. Eu não pensei duas vezes e fui à frente. Quando o pastor Flávio colocou as mãos sobre a minha cabeça, disse: “O Senhor te curou hoje de miomas”. Eu ainda consigo ouvir a voz dele dizendo essas palavras. Foi diferente!

Eu voltei para casa e continuei minha vida normalmente, como se nada tivesse acontecido. Continuei fazendo tudo como se ainda estivesse doente. Mas, com o passar dos dias, percebi que não tinha mais nenhum sintoma, inclusive as hemorragias que tinha haviam cessado. Foi então que entendi que havia sido curada!

Mesmo com todos os sinais, ainda tinha medo de voltar ao consultório médico. Não queria ouvir tudo o que tinha ouvido nos últimos seis anos. Procurei meus líderes para saber como proceder e eles me aconselharam a fazer novos exames, porque só assim teríamos certeza da minha cura.

No dia 1º de outubro de 2014 realizei outra ultrassonografia pélvica e estava completamente curada. Desde então, não tive mais nenhuma hemorragia e o meu ciclo menstrual voltou completamente ao normal, sem nenhum tipo de medicamento!

Hoje, tenho certeza de que quando me casar terei filhos, porque Deus jamais brinca com a Sua preciosa Palavra e cumpre as Suas promessas!